Ervas Medicinais

A nossa formula, aquela composição de combinação de ervas medicinais que tratam ácido úrico, depressão, ansiedade, insônia, artrite , toda nossa lista de tratamento de doenças com as ervas medicinais tem estudo cientifico comprovando a eficácia da erva medicinal.

 

Por isso na Principios da Natureza você pode confiar!

Indicação

UNHA DE GATO

Uncaria guianenesis Uncaria tomentosa Planta amazônica muito utilizada na Medicina indígena e tradicional. Existem mais de 50 espécies de Unha-de-gato, sendo as mais conhecidas, a Uncaria guianensis e a Uncaria tomentosa, ambas com propriedades muito parecidas. A unha-de-gato foi descrita medicinalmente na década de 60 e em 1994 foi registrada internacionalmente num congresso na Suíça como Planta Medicinal. Seus extratos apresentam baixa toxicidade e podem ser consumidos com segurança dentro das doses recomendadas, todavia, existem relatos de casos de portadores de Doença de Parkinson que tiveram seus sintomas piorados com o uso de Unha-de-gato. Como anti-inflamatório, a Unha-de-gato tem a capacidade de inibir inflamações em até 69%. Em edema induzido em pata de rato, o potencial anti-inflamatório foi de mais de 80%. No tratamento da artrite e osteoartrite, 30 pacientes foram avaliados por 30 dias, com expressiva redução na dor e na inflamação e sem apresentar problemas no sangue e no fígado. Como antialérgico, os extratos de unha de gato também demonstraram apreciável atividade. Unha de gato demonstra potencial em prevenir a mutagenicidade, ou seja, de evitar alterações do DNA que podem levar ao desenvolvimento de câncer. Como auxiliar no tratamento do câncer, foi testado contra células de câncer de mama e demonstrou capacidade de inibir em 91% o desenvolvimento do tumor após 30 dias de uso. Contra leucemia, um estudo em laboratório demonstrou que no tratamento por 15 dias, redução expressiva no desenvolvimento das células leucêmicas. Contra diversos outros tipos de câncer, os extratos de Unha-de-gato também se mostraram muito eficientes em controlar seu desenvolvimento. Comprovadamente, a Unha-de-gato tem a capacidade de elevar em até 50% a atividade do Sistema Imunológico, sendo utilizada em vários países do mundo como auxiliar no tratamento da AIDS, do câncer de outras doenças do Sistema Imunológico. Contra o vírus da herpes, Unha-de-gato demonstrou apreciável capacidade antiviral. Ainda contra o Rhinovirus, causador de muitos tipos de resfriados, demonstrou capacidade em reduzir seu desenvolvimento em 50%. Ainda, por sua atividade imunoestimulante, a Unha-de-gato é considerada um medicamento muito eficiente para o tratamento da Dengue. http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://link.springer.com/article/10.1... http://link.springer.com/article/10.1... http://journals.lww.com/clinicalneuro...

 

 

 

UXI AMARELO / UXI LISO

Endopleura uchi O Uxi amarelo é uma árvore amazônica de grande porte, podendo chegar a 30m de altura, muito utilizada medicinalmente pelas populações nativas daquela região. Ela se desenvolve em todos os estados em que prolifera a floresta amazônica, mas é mais comum no Amazonas e Pará. Seus frutos são comestíveis e muito consumidos pelos povos da floresta, mas não são comercialmente explorados. São doces e saborosos e ricos em nutrientes. Sua parte mais utilizada é a casca do tronco, a qual é vendida em todo o Brasil. Seus usos populares são muitos, como anti-inflamatório, para infecção urinária e cistites, contra miomas, contra infertilidade feminina e outros problemas do aparelho reprodutor feminino. Também se utiliza como analgésico, contra problemas da próstata, gastrite e para combater febres, além de problemas do fígado. É muito comum o uso de Uxi em associação com Unha-de-gato para tratar ovários policísticos e Miomas. Quanto a sua toxicidade, várias pesquisas indicam que o Uxi é uma planta segura, sem efeitos tóxicos relatados nas doses recomendadas. Mulheres grávidas ou em fase de amamentação não devem usar por sua ação sobre o útero. Pesquisas realizadas pela Universidade Federal de Juiz de fora demonstram que os extratos do Uxi tem a capacidade de inibir a Lipase pancreática, o que contribui muito para o controle da obesidade, indicando esta planta como importante auxiliar para a perda de peso. Como bactericida, a ação mais relevante do extrato de Uxi foi contra Streptococcus aureus. Contra as demais bactérias testadas, não houve ação relevante. Já no controle de Candidíase, as cascas de Uxi mostraram excelente ação em combater várias espécies desse fungo. Outra importante atividade é a analgésica, reduzindo a sensação de dor, o que justifica muito o uso do Uxi para as cólicas menstruais. Pesquisa realizada na Universidade do Amazonas comprova, entre outras atividades, a capacidade anti-ulcera da planta. Como antidiabético, foi verificada uma excelente ação das cascas de Uxi, reduzindo o processamento de carbohidratos complexos, evitando o aumento do nível de glicose no organismo. Ainda, uma ação protetora cerebral foi verificada, demonstrando a capacidade do Uxi em prevenir doenças degenerativas cerebrais, como alzheimer e parkinson. Um de seus principais princípios ativos é a Bergenina, que também é encontrada em muitas outras espécies de plantas ao redor do mundo e se apresenta em grande concentração nas cascas do Uxi. Avaliada a Bergenina presente no Uxi, temos uma excelente ação anti-inflamatória. Outras pesquisas com a bergenina extraída de outras plantas demonstram ação anti-inflamatória, antitumoral, anti-HIV, contra problemas renais e do sistema urinário e contra problemas do fígado, além de diabetes tipo 2. Num estudo chinês, a Bergenina isolada foi testada como anti-inflamatório no caso de mastite e seus resultados foram excelentes. Para o controle da malária, uma pesquisa realizada na China demonstra que a Bergenina é capaz de inibir até 100% o desenvolvimento do Plasmodium, causador da doença. Como anti-narcótico, a bergenina foi testada na Coréia, demonstrando redução da dependência quimica e da síndrome de abstinência nas cobaias dependentes de morfina. http://repositorio.ufla.br/bitstream/... https://hermes.cpd.ufjf.br/jspui/hand... http://repositorio.unesp.br/handle/11... http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... https://www.google.com.br/search?q=tr... http://sec.sbq.org.br/eventos/31rasbq... http://tede.ufam.edu.br/handle/tede/3314 http://www.sciencedirect.com/science/... http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.ph... http://www.academicjournals.org/journ... https://link.springer.com/article/10.... https://www.researchgate.net/profile/... https://www.spandidos-publications.co... https://www.thieme-connect.com/produc... http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10...

 

 

Serralha -

Sonchus oleraceus Serralha brava - Sonchus asper Não demonstrou toxicidade nos experimentos estudados. Não causou abortos nem interferiu no desenvolvimento fetal. Ambas as espécies podem ser consumidas na alimentação. Antioxidante: Forte ação no combate de radicais livres, principalmente nas raízes. Anti-inflamatório: Ação compatível com anti-inflamatórios comerciais. Analgésico: Demonstrou excelente ação analgésica em vários modelos de dor. Antibiótico: Demonstrou excelente ação da serralha como antibacteriano. Cicatrizante: Resultados foram superiores ao de medicamentos cicatrizantes convencionais. Ansiolítico: Efeito parecido ao do clonazepam. Depressão: Efeito antidepressivo semelhante ao da amitriptilina. Diabetes tipo 2: Capacidade de reduzir em até 38% o nível de glicemia. Colesterol: Teve a capacidade de reduzir triglicérides e LDL, aumentando o HDL e melhorando o perfil lipídico das cobaias. Pressão arterial: Reduziu significativamente a pressão arterial, sem causar toxicidade. Protetor dos órgãos: Teve a capacidade de proteger e proteger os tecidos do pulmão, do coração, da tireóide, do fígado e dos rins, contra danos causados por agentes químicos. Protetor cerebral: Extratos de serralha-brava foram capazes de melhorar as funções cognitivas, inclusive aumentando a capacidade de aprendizado em cobaias. Câncer: demonstra excelente ação no controle do desenvolvimento do câncer de estômago, inibindo o tumor em 65%. Demonstrou a capacidade em inibir o desenvolvimento de células de câncer do fígado e de leucemia. Vitiligo: Um preparado feito a partir de folhas de serralha, folhas de jurubeba e folhas de carobinha por 4 meses apresentou excelentes resultados. Manchas claras tiveram progressivamente a repigmentação, atingindo até 100%. Em pessoas com grande área despigmentada, aconteceu um processo de despigmentação total, deixando a pele branco-rosado. http://acgpubs.org/RNP/2011/Volume%20... www.ptfarm.pl/pub/File/Acta_Poloniae/2016/nr%202/425.pdf www.academicjournals.org/journal/JMPR/article-abstract/A8CAF2123471 https://synapse.koreamed.org/Synapse/... https://bmccomplementalternmed.biomed... https://bmccomplementalternmed.biomed... https://bmccomplementalternmed.biomed... www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14786419.2010.534093 http://en.cnki.com.cn/Article_en/CJFD... http://en.cnki.com.cn/Article_en/CJFD... http://online.liebertpub.com/doi/abs/... https://bmccomplementalternmed.biomed... www.scielo.br/scielo.php?pid=S1984-82502011000300019&script=sci_arttext&tlng=es https://behavioralandbrainfunctions.b... http://file.scirp.org/Html/10-1050331... www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/141_392.pdf www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874109002591 www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874109007375 www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874109002505 www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0168822714701093 www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0940299311000091 www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874116301490 www.sciencedirect.com/science/article/pii/S027869151000390X

 

 

Sete-sangrias -

Chuphea carthagenensis Sobre sua atividade antioxidante, uma pesquisa realizada em laboratório na Univ. Fed. de SC (2), demonstrou que os extratos das folhas a partir de vários solventes, tem excelente ação antioxidante, com possibilidade de uso na prevenção de doenças cardiovasculares. Um estudo realizado pela Universidade do itajaí, em SC (1) demonstrou que o uso do extrato aquoso por 4 semanas em animais com dieta rica em gorduras, teve um efeito positivo na redução do colesterol livre. Como vasodilatador, um estudo realizado em laboratório pela Univ. Fed. de MG (3) demonstrou que o extrato alcoólico das folhas tem potente ação vasodilatadora. Todavia, o extrato preparado apenas com água não trouxe os mesmos resultados. Na inibição da angiotensina, um estudo realizado entre a Univ. Fed. de MG e a Universidade de Munique, na Alemanha, demonstrou que um extrato das folhas teve a capacidade de inibir 50% ação da Enzima Conversora de Angiotensina. Uma pesquisa realizada pela Univ. Fed. da Grande Dourados (7) demonstrou que na dosagem de 30mg/kg o extrato alcoólico da planta tem considerável ação anti-hipertensiva. No caso de arterosclerose, uma pesquisa realizada em animais por um grupo de Universidades do PR e MS (4) a proteção dos vasos sanguíneos promovida pelo extrato alcoolico da planta. O resultado foi a redução do Colesterol Total, LDL, VLDL e triglicerídeos, assim como aumento do HDL, evitando a arterosclerose em animais tratados com dieta rica em gorduras. Como analgélsica e antiinflamatória, a planta foi testada pela USP e pela Univ. Fed. PR (6) e verificou-se uma ação nociceptiva relevante, ou seja, ela tem a capacidade de reduzir a sensação de dor, mas não tem a ação antiinflamatória. Por fim, uma pesquisa realizada pela Unuv. Fed de Santa Catarina (8) demonstrou que os extratos podem ter ação levemente ansiolítica. http://sci-hub.cc/http://www.scienced... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.sciencedirect.com/science/... http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S... http://www.repositorio.unifesp.br/han... https://repositorio.ufsc.br/bitstream...

 

ERVA-BOTÃO

(Eclipta alba; Eclipta prostrata) TOXICIDADE: (11) não causou efeitos adversos perceptíveis, nem morte. (22) não causou toxicidade. ANTIBACTERIANO: (5) contra várias bactérias, causou inibição, principalmente Staphylococcus e Salmonella. (8), o extrato aquoso não causou inibição das bactérias. O extrato alcoólico foi eficiente. FILTRO SOLAR: (26) tem elevada absorção de raios UVA e UVB. Protege as células de danos oxidativos. ANTI-INFLAMATÓRIO: (14) comparável a indometacina e ciproheptadina. Reduziu a inflamação em 35%. ALERGIAS: (22) Na reação anafilática, reduziu todos os padrões alérgicos. HIV: (12) as wedelolactonas inibiram as enzimas HIV1-protease e HIV1-integrase, impedindo a ativação do vírus. COLESTEROL: (1) em animais alimentados com colesterol, manteve o nível de triglicerídeos normal, reduziu lipídios. (9) reduziu triglicerídeos e colesterol total. Reduziu LDL e aumentou HDL. O índice aterogênico reduziu 30%. TRIPSINA: (18) a wedelolactona teve inibição potente da enzima. HIPERTENSÃO: (17) reduziu 17% a pressão arterial, aumentou 34% a produção de urina e 24% a excreção de sódio. (29) causou controle da pressão arterial em animais obesos. ANTIOFÍDICA: (2) proteção da degeneração muscular por veneno de cascavel. (7) contra o veneno da Cobra-da-terra, a morte foi reduzida de 50 a 58%. HEPATOPROTETOR: (3, 19) causou proteção na intoxicação química e estimulou a regeneração do fígado. (10) evitou a fibrose hepática. NEFROPROTETOR: (24) protetora contra a toxicidade causada por gentamicina. DIABETES: (6) reduziu a glicose no sangue de 372 para 117, a hemoglobina glicada e a degradação de açúcares complexos. ESTÔMAGO: (4) as lesões estomacais foram evitadas. CÉREBRO: (16) Na isquemia, evitou a perda neurológica, reduziu a área do infarto e preservou o tecido cerebral. ALZHEIMER: (25) estimulou a produção de acetilcolina e evitou o estresse oxidativo nos neurônios. (30) potente inibidora da acetilcolinesterase. ANTIDEPRESSIVO: (27) comparada à fluoxetina e imipramina, foi quase tão eficientes. CORAÇÃO: (28) efeito inibitório cardíaco, reduz a frequência cardíaca a contração e o volume de sangue na saída. OSTEOPOROSE: (20) estimula a formação de osteoblastos. (23), excelentes resultados na formação de novas células ósseas. CÂNCER: (13) em células de câncer do fígado humano, demonstra significativa ação antitumoral. (15), em diferentes células de câncer humano apresenta ação antiproliferativa, apoptótica e antimetástase. (21), com células de diversos tipos de câncer humano, causou redução da migração das células, indicando efeito antimetástase e reduziu até 50% a angiogênese. 01 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874105007774 02 - - www.academicjournals.org/journal/SRE/article-full-text-pdf/2867CC212437 09 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0271531708001139 10 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S094471130700270X 11 - https://onlinelibrary.wiley.com/doi/p... 12 - https://onlinelibrary.wiley.com/doi/f... 13 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0278691512005650 14 - www.academicjournals.org/journal/AJPP/article-full-text-pdf/DB06E2233449 15 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874111003205 16 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0944711312002140 17 - www.liebertpub.com/doi/abs/10.1089/jmf.2006.0000 18 - https://onlinelibrary.wiley.com/doi/a... 19 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2222180811600728 20 - www.mdpi.com/1420-3049/15/1/241/pdf 21 - http://iv.iiarjournals.org/content/22... 22 - www.jyoungpharm.org/sites/default/files/10.4103_0975-1483.57072.pdf 23 - https://onlinelibrary.wiley.com/doi/f... 24 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874116301076 25 - www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0271531710001491 26 - www.hindawi.com/journals/tswj/2014/759039/abs/ 27 - www.ajpcr.com/Vol6Suppl3/295.pdf 28 - www.tandfonline.com/doi/abs/10.1076/phbi.38.5.357.5974 29 - www.researchgate.net/profile/Shailendra_Dwivedi/publication/225091095_EFFECTS_OF_ECLIPTA_ALBA_AND_BOERHAAVIA_DIFFUSSA_ON_NORMAL_BLOOD_PRESSURE_AND_HYPERTENSION_IN_RATS_AND_THEIR_COMPARISON_WITH_AMLODIPINE/links/09e414fcc447a2b129000000.pdf 30 - 

 

 

Sene - Intestino

 

Sene - Senna angustifolia, Cassia angustifolia, Cassia alexandrina Muitas espécies de Sene são utilizadas há séculos em todo o mundo por sua ação laxante e estimulante das funções intestinais. No caso da toxicidade de Cassia Angustifolia, um estudo desenvolvido pela Universidade Estadual do Rio de JAneiro demonstrou total ausência de potencial mutagênico ou carcinogênico nos extratos da planta. Ainda num outro estudo italiano sobre sua ação no fígado, verificou-se que não há toxicidade hepática por parte de Cassia angustifolia. Outra espécie de Sene considerada segura nas doses recomendadas é Senna Alexandrina. Um fator importante é que em vários países pesquisas demonstraram que o uso de Sene não tem relação direta com o desenvolvimento de câncer no intestino, o que garante maior segurança para seu uso. Durante a gestação, o Sene tem efeito abortivo e pode causar sérios riscos para o feto e graves hemorragias na mãe. Vários exames identificaram que seu princípio ativo são chamados de Senosídeos e comprovadamente correspondem aos usos populares consagrados para esta planta. Assim, em casos de constipação intestinal e prisão-de-ventre, seu uso é bastante recomendado. Um estudo realizado no Brasil avaliou um medicamento laxante que utiliza folhas de Sene e de Cassia Imperial. E testado com grande número de pacientes, a maioria demonstrou melhora geral em seus sintomas e no funcionamento intestinal, comprovando a eficiência desta planta. Cassia angustifolia foi testada como antibiótico e teve excelentes resultados contra Staphylococcus pyogenes e Corynebacterium diptheriae. No Irã um estudo mostrou que a tintura de Sene tem excelente ação contra a Klebsiella pneumoniae, que é uma bactérias causadora das pneumonias. Cassia Alexandrina também foi testada na Índia e mostrou muita eficiência no controle de várias bactérias patógenas. Cassia senna, testada na África contra bactérias causadoras de infecções urinárias, demonstrou considerável ação antibiótica. http://www.scielo.br/pdf/rbfar/v14s0/... http://www.karger.com/Article/Abstrac... http://www.scielo.br/pdf/qn/v29n6/24.pdf https://bdtd.unifal-mg.edu.br:8443/ha... https://www.hindawi.com/journals/jt/2... http://jnasci.org/wp-content/uploads/... http://www.moreirajr.com.br/revistas.... http://www.journalrepository.org/medi...